Storytelling #23

segunda, 26 novembro 2018 14:26

"Less is more. Keeping it simple takes time and effort." - Jeff Bullas

A Ovelha Shrek

Era uma vez uma ovelha Merino comum que vivia no Sul da Nova Zelândia chamada Shrek. Isto antes ficar famosa em 2004.

Geralmente as ovelhas Merino cortam o seu ‘casaco de lã’ todos os anos. Algumas ovelhas, como a ovelha Shrek, odeiam este processo de corte. A nossa história, baseada em factos reais, começa quando esta ovelha, para evitar cortar a sua lã para sempre, ‘desenhou um plano’ e fugiu.

Durante 6 anos a ovelha Shrek foi bem-sucedida no seu plano de fuga. Segundo os testemunhos, saiu das terras dos seus donos e passou a viver nas cavernas. Contam hoje, que algumas pessoas locais e aldeias próximas falavam de um monstro que circulava pelas redondezas. Essa figura passou a atormentar as cabeças dos aldeões e das crianças, que passaram a falar de uma silhueta que por vezes aparecia no horizonte, bastante grande e com uma figura estranha.

Algumas raças de ovelhas perdem naturalmente a lã ao longo do ano. Mas as ovelhas Merino, normalmente criadas para a produção de carne, nunca perdem a sua lã. Foi por isso que escondida nas cavernas, longe de qualquer ameaça da tosquia, a lã de Shrek cresceu, cresceu e cresceu sem parar.

Passados 6 anos a Shrek tinha lã suficiente para produzir 20 casacos para homens adultos. Quando foi encontrada a Shrek não se parecia com uma ovelha - os seus olhos estavam completamente cobertos, e não se conseguia ver um único traço da bonita silhueta de uma ovelha.

Hoje a ovelha Shrek é uma imagem na memória da Nova Zelândia, depois da sua tosquia ter tido cobertura televisiva, a fama levou a que este animal conhecesse o primeiro-ministro da Nova Zelândia na época, Helen Clark. Para muitos a história da Shrek é recordada com variadíssimos significados, sendo muitas vezes usada como exemplo quando alguém comunica ou se relaciona com os outros sem clareza e objetividade, onde há mais ‘lã’ que ‘conteúdo’.

 

Relacionados

Storytelling #25

segunda, 26 novembro 2018 14:26 |

"The beginning of everything was emotion. Feeling, then, isn’t a passive process." - António Damásio

O nosso dia-a-dia procura muitas vezes soluções rápidas e respostas apressadas, sem compreender que os resultados surgem do crescimento interno e isso leva tempo. Da mesma forma, é necessário compreender que em muitas situações em que nós pensamos que nada está a acontecer, e por isso sentimos frustração, as coisas estão a crescer e a progredir por dentro ao seu ritmo.

Inicie sessão