Storytelling #40 - Panem et Circenses
Pão e Circo

 
"The hunger for love is much more difficult to remove than the hunger for bread."
Mother Teresa

Com a expansão, o Império Romano transformou-se num estado muito rico, e Roma, foi tornando-se numa cidade onde praticamente tudo acontecia. Com a centralização dos eventos sociais, políticos e culturais esta cidade fixou muitas pessoas nos seus arredores para tentarem a sua sorte e uma vida melhor – a maioria delas humildes e pobres vindas de outras regiões.

Muitos homens mais abastados da cidade aproveitaram este movimento da população para oferecerem trabalhos mal remunerados e com poucas condições enquanto era exigido um grande esforço físico nas tarefas do dia-a-dia. Isso aumentou ainda mais o fosso entre ricos e pobres naquela cidade.

Para evitar o descontentamento social e potenciais revoltas, os imperadores romanos decidiram ter uma política ‘engenhosa’ orientada para o povo.

Implementaram uma política que envolvia a distribuição de cereais e a dinamização de vários eventos com o objetivo de divertir e distrair o povo. Foi em consequência desta estratégia política que se construíram grandes arenas, as quais serviam de palco a espetáculos com gladiadores e animais, todo o tipo de acrobacias, palhaços ou corridas com cavalos. Além disso, todos os meses, de acordo com as ordens dos Imperadores, realizava-se a distribuição de cereais. Estas ‘ofertas’ garantiam que o povo não morresse de fome e que se mantivesse entretido.

Muitos intelectuais e artistas da época criticavam este aproveitamento, o qual se baseava na falta de cultura e de informação do povo romano. Povo esse que não tinha qualquer conhecimento nem interesse pelos assuntos políticos. Tal como muitas vezes ainda hoje acontece, quando se dá ao povo ‘pão’ e ‘circo’.